PRECISAMOS FALAR SOBRE O CONSUMO EXCESSIVO

Não há nada de errado em consumir, afinal o consumo faz parte de nossas vidas.

O problema é quando o vivemos em função do consumo.

Atitudes como comprar coisas que não precisamos como se fosse um hobby ou válvula de escape associada ao prazer, sucesso e felicidade são alguns indícios de um comportamento consumista.

Quando menos se percebe esse comportamento se torna excessivo.

Esse é um post feito para chamar a atenção para um problema cada vez mais recorrente: o consumo excessivo e sim, precisamos falar sobre isso!

 

COMO SABER SE (E QUANDO) VIVEMOS EM FUNÇÃO DO CONSUMO EXCESSIVO?

Não é muito difícil saber se e quando adotamos um comportamento consumista, o desafio é admitir que esse comportamento pode se tornar um problema.

É muito comum, para quem vive esse dilema apresentar algumas dessas sensações:

  • Ficar triste ou deprimido(a) por não ter comprado algo;
  • Sentir uma enorme necessidade em trocar o celular todo ano (ou qualquer outro bem sem necessidade);
  • Não terminar nem de pagar o financiamento de seu atual veículo e já estar ansioso(a) e planejando a compra de um mais novo (e mais caro);
  • Pensamentos constantes do tipo: “tenho que ter” e “preciso comprar”.

Esses são alguns exemplos de pensamentos e atitudes que mostram indícios de um comportamento consumista.

INFLUÊNCIAS

Certo é que nem todo mundo sofre desse problema, e mesmo quem não sofre nem sempre percebe um fator que acaba induzindo ao nosso – excesso de – consumo: as influências do dia a dia.

Existem as influências externas e internas que nos fazem a querer consumir mais e mais à qualquer custo.

As influências externas

É preciso falar sobre as propagandas:

Elas foram criadas com o intuito de gerar dentro de nós emoções, sejam elas positivas ou negativas, com a finalidade de adquirir determinado produto/ serviço.

Não é à toa que as empresas chegam a investir até bilhões em publicidade e propaganda!

E elas estão em todos os lugares, nas redes sociais, outdoors, no seu joguinho gratuito do Smartphone, na televisão, no seu e-mail.

Basicamente a finalidade das propagandas é fazer você se questionar “Como pude viver até hoje sem isso?” e quando você menos perceber, está lá comprando aquele produto.

 

Influências Internas

 

Pode parecer estranho mas também criamos as nossas influências que colaboram com o consumo excessivo, são fatores com origens emocionais e psicológicas que podem se manifestar com algumas dessas necessidades:

  • Status e Reconhecimento: não é incomum em uma sociedade como a nossa encontrar cada vez mais pessoas com problemas de auto estima, e uma boa forma de suprimir esse sentimento é adquirir um bem que irá lhe colocar em evidência e/ou que lhe fará ser reconhecido por aquilo que você tem (e não pelo o que você é).
  • Aceitação por determinado(s) grupo(s): por sermos seres sociais, sempre teremos (em maior ou menor grau) a necessidade de fazermos parte de algo. Por saberem disso, as empresas exploram essa necessidade inerente ao ser humano. E é aí que surge a necessidade de fazer parte da tribo os “ialgumacoisa”, dos veículos com maior cilindrada possível, da moto descolada e por aí vai.
  • Em ser percebido: as redes sociais ilustram isso muito bem. Ninguém quer ser o último, o menos desejado, o esquecido. As redes sociais viraram um local onde podemos mostrar “olha como sou descolado(a)”, “olha como sou legal, estou aqui ostentando” e para não ficar de fora muitos apelam ao consumo para poder mostrar para os outros e serem assim, percebidos.

 

AS CONSEQUÊNCIAS

Viver uma vida em função do consumismo não trará nenhum benefício.

No geral, o que mais acontece já no curto prazo são algumas situações não muito agradáveis:

  • Falsa sensação de felicidade e prazer, que quando existentes, são momentâneos;
  • Falsa sensação de aceitação, afinal te aceitam pelo que você tem e não pelo o que você é;
  • Desiquilíbrio financeiro  e,
  • Dívidas que podem virar uma bola de neve.

 

COMO EVITAR ESSE COMPORTAMENTO EXCESSIVO

Lembrando que toda a crítica nesse post está direcionada ao excesso.

Creio que se você chegou até essa parte do texto, concorda que o excesso – seja lá do que for – é prejudicial.

No caso do excesso de consumo podemos sim tomar algumas atitudes para evitá-lo:

  • Conscientização: a melhor forma de combater qualquer problema no mundo de hoje é buscar conhecimento e questionar-se sempre;
  • Desenvolver e exercitar valores;
  • Educação: principalmente para os mais jovens que serão o reflexo dos adultos de hoje;
  • Autorreflexão: o que é mais importante para você, ser ou ter?
  • Muita atenção às datas comemorativas: cada dia surgem novas datas com o único intuito de aquecer o comércio, então vale desenvolver o senso crítico aqui.

E você? Acredita que tem tendências consumistas? Já pensou sobre isso? Então deixe nos comentários o que acha sobre essa situação!