O QUE É CDI, IPCA E IGPM E PORQUE VOCÊ DEVERIA ESTAR ATENTO A ESSES INDICADORES

CDI, IPCA e IGPM…

Um monte de siglas mas que significam o que exatamente?

Se você não faz ideia, aconselho fortemente a leitura desse texto pois talvez você não faça ideia do quanto esses índices econômicos influenciam na sua vida.

Continue lendo para saber o que é CDI, IPCA e IGPM e como eles impactam na sua vida financeira.

 

O QUE É CDI?

 

CDI – Certificado de Depósito Interbancário, ocorre quando um banco empresa dinheiro para o outro banco.

É uma taxa baseada na média dos juros praticados pelos bancos ao fazer esses empréstimos.

Quando se escuta que um investimento de uma renda fixa paga x% do CDI, significa que ela paga uma porcentagem do que foi negociado pelos bancos na data do vencimento.

Por exemplo: se o CDI for 10% e o seu investimento pagar 95% do CDI, a remuneração do seu investimento será de 9,5%.

Os investimentos que se baseiam no CDI são: CDB’s, LCI’s, LCA’s e Letras de Crédito.

A taxa do CDI é bem próxima da Selic.

 

O QUE É IPCA?

 

IPCA é a sigla para Índice de Preços ao Consumidor Amplo que é o índice oficial de inflação do país, medido mensalmente pelo IBGE.

Ela serve para medir a variação de preços no comércio e é considerado o índice mais importante da nossa economia e reflete o custo de vida para famílias com renda de 1 a 40 salários mínimos.

Ele é medido nas cidades de: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Belém, Fortaleza, Salvador, Curitiba, Goiânia e Brasília.

Cada uma dessas cidades possui um “peso” no cálculo geral do índice que, diga-se de passagem, é bem confuso.

A coleta dos dados é feito dentro do mês que será apurado o seu valor e é considerado compras realizadas à vista nas seguintes categorias:

  • Alimentação e bebidas;
  • Artigos de residência;
  • Comunicação;
  • Despesas Pessoais;
  • Educação;
  • Habitação;
  • Saúde e cuidados pessoais;
  • Transporte e Vestuário.

Sendo que cada um desses itens também possuem um peso no cálculo do total.

Ficando cada vez mais confuso não é mesmo? Gostaria de dizer que o cálculo e entendimento desse índice é simples, mas não é.

Mas é importante, e possível entender que de modo geral, quando o IPCA sobe, perde-se o poder de compra e medidas como o aumento do salário mínimo são adotadas.

No entanto, um IPCA menor não implica em redução de preços e sim na “estagnação” dos mesmos.

Para os preços dos produtos e serviços caírem, seria necessário um IPCA negativo, o que resultaria em uma deflação (oposto da inflação), o que é raríssimo de se observar no Brasil.

Atualmente os investimentos que são diretamente influenciados pelo IPCA são:

 

O QUE É IGPM?

 
IGPM é uma sigla para Índice Geral de Preços do Mercado e é medido pelo FGV, esse índice registra a inflação de preços de matérias primas, agrícolas e industriais, até bens e serviços, como comida, transporte, vestuário, etc.

Esse é um índice muito mais próximo do mercado do que o IPCA e oscila mais também.

O IGPM é utilizado para reajuste de algumas contas como:

  • Planos de Saúde;
  • Aluguel;
  • Energia Elétrica;
  • Escolas e Universidades e,
  • Alguns tipos de Seguros.

Para calcular esse índice, diferente do IPCA, é coletado preços em todo Brasil para se chegar no resultado. Os setores que são consultados são:

  • Indústria;
  • Construção Civil;
  • Agricultura;
  • Comércio varejista e
  • Serviços profissionais.

O impacto desse índice na economia se dá pela sua alta que indica tendências de perda de poder de compra, desemprego, investimentos sem proteção contra a inflação e desvalorização da moeda.

Pode-se concluir que o que pode aparecer não ter nada a ver com nossas vidas, essas taxas influenciam diariamente desde operações mais simples como a compra de um cafézinho na padaria, como na rentabilidade de seus investimentos.

Espero que tenha gostado desse post e curta e compartilhe para que outras pessoas possam também saber o significado dessas “siglas” e seus impactos!